terça-feira, janeiro 31

Temos que pará-la!!!

pode (e deve-se!) ir ao site mas fique-se, desde já, a saber que no próximo dia 14 de Fevereiro ([ironicamente?? no] Valentines's Day) o Parlamento Europeu irá debater e votar um rascunho da Directiva Bolkestein, mas pelo não à mercantilização dos serviços públicos já está convocada uma manifestação nesse mesmo dia em Estrasburgo (uma das sedes do Parlamento Europeu).
Assinem a petição!!!

É impressionante

a facilidade com que se cria um blog.

segunda-feira, janeiro 30

Gostam... eu gostei...



Blog.Worm



Épico Coronel Kilgore



Adivinhem quem chegou? Vasco Pulido Valente, no Espectro. Vai ser tão divertido como ouvir as invectivas de Robert Duvall no papel de Kilgore.

E, em sua( dos dois) homenagem, a música agora é "A Cavalgada das Valquírias", pois "O Vasco" adora o cheiro de napalm pela manhã...

sexta-feira, janeiro 27

Utilidades...

Normas de Avaliação e Conhecimento da FCTUC
Parte II - Provas e Criterios de Avaliação de Conhecimentos
Provas de Avaliação e Conhecimento

17. As classificações das provas de avaliação de uma determinada diciplina devem ser divulgadas e dadas a conhecer aos alunos pelo menos 5 dias antes da realização da prova correspondente seguinte.

Hoje sou Palestino, hoje sou do Hamás!!

Foi com uma enorme satisfação que tomei conhecimento deste enorme marco da luta ANTI-CAPITALISTA protagonizado pela vitória esmagadora e histórica do Hamás, nas eleições DEMOCRÁTICAS, para a Autoridade Palestiniana. Esta vitória vai no seguimento da vitória de outros grupos anti-capitalistas em países de cariz Islâmico, como são o caso do Egipto, Líbano, Iémen. Este conjunto de resultados eleitorais, em regimes democráticos ocidentalizados, vem provar categoricamente o falhanço da tese de FUKUIMA em o Fim da Historia, que tentava provar que a democracia só seria possível, se o modelo de organização social e económico fosse capitalista e enunciava, ainda que o papel histórico do capitalismo era levar a democracia a todo o mundo (basta olharmos para o Iraque para nos apercebermos do tremendo erro desta analise). Impõem-se nesta altura a analise e discussão sobre modelos de organização económica e social e a relação dialéctica que estes estabelecem com os modelos de gestão política dos estados e dos regimes. Eu acredito num modelo Socialista de organização social e económica, num modelo que tenha em conta as teses Marxistas, tenho no entanto algumas dúvidas sobre a forma de se organizar o estado socialista e a concepção de regime deste estado, do Centralismo democrático (seja ele leninista ou de uma concepção da Rosa Luxemburgo) à burocracia, das oligarquias às democracias populares (Castristas e Maoistas ). Esse parece-me ser o debate em aberto depois de um século de regimes "socialistas", essa é a conceptualização necessária para as forças marxistas de hoje, como tomar o poder e como organizar o estado, num mundo globalizado, que dê resposta à enorme densidade e complexidade das redes sociais. Capitulo ao Pós-modernismos ao afirmar que o mundo é mais complexo que a divisão em classes, mas defendo o Marxismo Ortodoxo na importância que reconheço ao Capital enquanto actor chave das relações sociais, e consequentemente a importância do trabalho no estabelecimento das redes sociais (mais complexa que a estrutura de classes mas tendo como pólo aglutinador sempre o trabalho e o capital).

quinta-feira, janeiro 26

Olh'ó pantano!!!!!

Será isto verdade!? Não seria espanto nenhum mas com um documento à frente dos olhos parece ainda mais escandaloso...

Toca

Charlie Parker e Ella Fitzgerald - How high the Moon

No Direction Home


Não se pode separar o documentário de Scorcese "No Direction Home" do primeiro volume da autobiografia de Dylan "Chronicles". Funcionam de maneira diferente mas não se podem separar.
Chronicles divide-se pelos seguintes períodos: a ida para N.Y. e o ambiente cultural de Greenwich Village no princípio dos anos 60, o período pós digressão de 66, o processo de composição e gravação do álbum Oh Mercy e, voltando atrás no tempo, o encontro de Dylan com John Hammond e a assinatura do contrato pela Columbia Records. A lucidez de Dylan é assombrosa, a descrição de um período em que Dylan acreditava que era uma falhanço é de arruinar os nervos a qualquer um e os esforços de Dylan para gravar o álbum Oh Mercy numa altura em que nada parecia resultar musicalmente para Dylan são especialmente interessantes. Dylan não esconde nada e dá um prazer especial saber o que é que se passava na cabeça de alguém que escrevia músicas como "Desolation Row" ou "Visions of Johanna".
Já o documentário de Scorcese, apesar de cobrir o período de tempo entre a chegada de Dylan a N.Y. e a digressão de 66, o centro nevrálgico do filme é, sem dúvida, esta digressão. As reacções ultra-conservadoras de uma esquerda irritante que negava a Dylan o direito de fazer música que não servisse os interesses do movimento pelos direitos civis, os insultos a Dylan, a cobertura mediática sedenta de sangue que não conseguia perceber que Dylan tinha passado a tocar com uma banda eléctrica só porque lhe apeteceu e que isso não era sinónimo de nenhuma traição a um movimento a que Dylan nunca pertenceu. Está tudo neste documentário, acompanhado pelos comentários de um Dylan que olha para trás com alguma amargura mas sem arrependimentos.

Mesmo que não se goste de Dylan, estes dois trabalhos valem verdadeiramente a pena e deixam-nos descobrir uma genialidade muito mais lúcida do que se possa pensar.

Galhofa

Fernando Rosas assina o artigo, publicado ontem no Público, como Historiador.

quarta-feira, janeiro 25

A explicação.

Confesso que só agora descobri que Francisco José Viegas é um Judeu Novo.
AAAAAH! assim está certo.

Agora, em que sentido se terá verificado a conversão? Da condição religiosa, de facto íntima e tal, para o posicionamento ideológico político-cultural israelita, ou o contrário?

Só Deus sabe.

Saneamento - actualização

Acrescentei alguns links de blogs ali ao lado. São eles:

- Esplanar
- Estradas perdidas
- Fuga para a vitória
- Garedelest
- Margens de erro
- Murcon
- O pequeno blogue do grande terramoto
- Sound + Vision

Saneamento

Tomei a liberdade de fazer um pequeno saneamento nos links. Tirei aqueles que diziam respeito a blogs já extintos, pus o Sabugal Tarrento na ordem alfabética e tirei também o link para o blog do Gato Fedorento porque, apesar de não estar extinto, só se didica à publicitação de eventos. Não consegui tirar aquele espaço que está entre o link do Vale de Almeida e o Pissarolim mas deixo isso para quem domine melhor esta coisa. Entretanto, façam favor de actualizar a lista com outros blogs.

A morte

Apesar do que algumas pessoas parecem ver nas estrelas, não me parece que a astrologia preveja qualquer tipo de definhamento do Bloco. Apesar de resultados eleitorais aquém do desejado (mas não aquém do esperado), não me parece que isto se traduza nem na implosão do partido nem numa renovação interna.
Em primeiro lugar, o partido está suficientemente embrenhado no sistema político para que seja possível implodir facilmente. O Bloco há muito que deixou de se afirmar como movimento, designação que servia o propósito de encobrir resultados eleitorais fracos e se assumiu como partido no sentido mais convencional do termo. Um síntoma desta mudança foi o surgimento de reacções preocupadas em relação à possível participação do Bloco num governo PS.
Em segundo, a renovação interna não vai acontecer porque não há quem substitua os quadros existentes. A oposição à direcção do Bloco não é consistente nem séria, ora se revela no surgimento de moções alternativas em Convenção sem qualquer propósito político ou intenção de serem realmente alternativas, ora se revela no espernear frenético de um pequeno grupúsculo de dimensões residuais com muitas preocupações no que diz respeito à pureza ideológica do Bloco mas sem qualquer vontade ou capacidade de constituir uma alternativa devido à sua natureza parasitária.

A renovação interna precisa de ser feita, talvez até os resultados eleitorais em que, salvo erro, pela primeira vez o Bloco desce entre uma eleições e outras (talvez já tenha acontecido nas autárquicas) seja um resultado dessa necessidade. Mas o Bloco não precisa de estar constantemente a crescer para assegurar a sua existência. Com alguma sorte e vontade, talvez este período sem eleições que agora começa seja a oportunidade para fazer esta renovação.

terça-feira, janeiro 24

Só a segurança de um par de seios nos pode salvar desta mórbida nação.

Foi uma noite eleitoral especial para mim, uma noite a onde os personagens chafurdam na lama, são descritos com franqueza quase pornográfica, mas com tal naturalidade de estilo e humor que assumem uma grandeza indiscutível. Assim foi um poeta que falando para o seu partido de sempre disse, de forma rude, que é seu fodedor. Assim foi um velho de seu nome Soares que hipnotizado pela beleza de uma puta chamada Democracia (não, não vou dizer que a puta é a Joana Amaral Dias) destruiu a virgindade de um cargo de esquerda, daquela esquerda que se quer rameira e de pernas abertas, de seu nome Presidência da Republica Portuguesa. A vitoria, essa ficou no álbum de uma família que todos conhecemos por uma acentuada visão profética, visão essa digna de uma forte ejaculação na boca de colegiais meninas, em Álbum de família, a estrutura nuclear básica da sociedade que serve para provocar e reprimir os mais diferentes sentimentos entre seus membros, gerando uma tragédia exemplar, de um PP emplastro a um Marques Mendes sorridentemente anacrónico, parecendo um qualquer líder de seu nome Paulo, que de tanta contundência em sua descrição sobre os excessos da sexualidade. Sodomia (sexo anal), pedofilia e
macrofilia (sexo com crianças e velhos), e coprofilia (sexo entre fezes) se vê ele próprio puta de alguém que nem Cavaco lhe dá.

Só a segurança de um par de seios nos pode salvar desta mórbida nação.

Como dizia o outro...

É Cavaco a ganhar a Presidência... e mais 5 eurolas a aparecer no bolso!

Pois...

A fraca votação em Louçã (tendo em conta as expectativas) deve-se, aparentemente, e tendo a concordar com a análise, à transferência de votos para Alegre. Considerando que a exagerada votação neste acenta numa reacção aos candidatos-partido (o fenómeno Cavaco reforça esta tese), o Bloco institucionalizou-se. Tornou-se responsabilizável.
E Louçã parece acomodado: "Manuel Alegre não representa uma alternativa nem dentro nem fora do PS, pois não irá disputar a liderança do partido nem criar um novo partido político."

Nada mau para um "Movimento" político.
E agora vou ali num instante "escrever uma carta ao Cavaco"!
(Pelo menos esta está de volta...)

Vácuo de pedra

«A criatura humana como a conhecemos hoje, homo habilis em enésima geração, reconhece, despudoradamente até, a sua inequívoca condição de produtora de objectos e ferramentas; por conseguinte, de arquitectura.
Está bom; tem latim e advérbios de modo...
»

in vacuodepedra.blogspot.com

Nos links ali ao lado

Pós-eleições

Não há volta a dar. O período pós-eleitoral é sempre deprimente. Ao contrário do antes, no depois nada conta. Parecem tudo réplicas insignificantes de um terramoto. Uma pessoa bem se esforça ("Então e as declarações do outro?", "E o que é que não-sei-quem vai fazer?") mas é inelutável.

segunda-feira, janeiro 23

Chicos-espertos

curiosidades comparativas...

sem a mínima reflexão prévia fiz dois curtos comparativos: Jerónimo [nestas Presidenciais obteve 466.428 votos] valeu mais do que o PC [nas últimas Legislativas havia tido 431.982 votos (ou seja, menos 34.446)] e... (se calhar, o mais [curioso e] importante!!) Cavaco teve mais votos nestas Presidenciais [2.745.491] do que Sócrates para a sua maioria absoluta no Parlamento [2.573.506]; e esta, hein? por outro lado, é preciso não esquecer que Cavaco foi o PR eleito com menor percentagem de votos (50,6%) e que Cavaco não teve maioria absoluta nos votos entrados em urna [5.529.118] (ou seja, se contabilizarmos brancos [58.868 votos] e nulos [43.406 votos]), nesse caso teria que ter atingido os 2.764.560 votos para ter 50%+1 dos votos entrados em urna.

Mediocracia

Analise superficial da influencia dos média nas presidenciais de 2006:

" (...) Pergunta: O que vem a se isto?
Resposta: Uma Mediocracia, associada a um duopólio politico-pseudojornalistico em que os candidatos com mais tempo de antena são aqueles que são apoiados pelos partidos com mais expressao nacional. Uma falta de respeito pelos candidatos menos votados mas sobretudo ao Manuel Alegre, que contra a máquina do aparelho do PS ficou em segundo lugar, bem à frente do Mário Soares, e cujo discurso foi interrompido para que José Sócrates se masturbasse em frente aos televisores numa tentativa bem sucedida, por culpa dos média, de enrabar o discurso do Alegre e abafar a, também, sua derrota."

Texto todo: http://thormentor.blogspot.com/2006/01/mediocracia.html

Cavaco... e a «boa moeda»

A Estátua e as esquerdas no Portugal recavaquizado, por M.V.A.

«Não duvido da boa fé e convicção de quem votou Alegre - desde logo muitas pessoas próximas de mim. Mas a verdade é esta: de Alegre não vai sair nada, porque não há nada a sair. Quem apoiou Alegre pensou estar, digamos, a apoiar Pintasilgo - e enganou-se redondamente. Funcionário-deputado do PS há 30 anos, apoiante sistemático das políticas dos vários primeiros-ministros socialistas, Alegre não tem pensamento político para lá de meia dúzia de banalidades vaidosas. Alegre não existe, e quando tenta existir não se vê mais do que um vazio redondo, marialva, preguiçoso e republicanamente antiquado. E os seus apoiantes regressarão a casa e às suas vidas já amanhã; quando muito farão uma Sedes, com ocasionais jantares-tertúlia no Centro Nacional de Cultura. Triste, muito triste, o efeito Alegre. Compreendo a motivação de muitos dos seus apoiantes e eleitores - a crítica ao sistema partidário, ao próprio PS, a vontade de cidadania - mas apostaram no cavalo errado. Espero que cosnigam dar a volta e não deitar fora 20% de votos.»

«O PS crítico, o PC que deseje entrar na (pós)modernidade, o Bloco que não queira ser marginal, e a cidadania desafectada de esquerda (que ora vai para os partidos, ora para Eanes e PRD, Pintasilgo, ou Alegre), precisam agora de pensar - e têm 3 anos e meio para o fazer. Se isso não bastar, não merecem uma segunda oportunidade.»

breves anotações da noite eleitoral... (II)

(se entretanto não rebentar nenhuma revolução popular neste cantinho à beira Atlântico) preparemo-nos tod@s para [pelo menos] 20 anos de Direita na Presidência da República, o senhor que se seguirá já deu um lamiré e um arzinho da sua graça [aposto que este terá mais do que os 0,44% que Garcia Pereira, outro grande quadr[ad?]o do MRPP, o (auto-proclamado) candidato da ruptura].

breves anotações da noite eleitoral... (I)

vejam bem (e reparem!!) em quem se encolhe e quem se mete nas pontinhas dos pés, com a vitória de Cavaco nas Presidenciais. há quem (não) saiba a altura certa de pedir contas...
O mail do blog mudou.
De mail.pt para gmail.com.
Foi o primeiro a emigrar.

domingo, janeiro 22

não há Cavaco que a trave...

Até na Marinha Grande

Cavaco ganhou.

O novo presidente

Temos um novo representante. Um Presidente da Républica que diz "pograma", que já foi visto a comer bolo-rei de boca aberta e que tem uma "marquise".

o nuclear e o Irão... o Irão e o nuclear...

Estarei velho??

Sempre acreditei que a percepção da idade é algo exterior a nós, mas para minha surpresa soube este fim-de-semana que a minha ex. companheira com quem tive uma relação de 4 anos esta casada! Assustado telefonei a todas as minhas ex. companheiras (não foi tarefa fácil visto ter mais ex. que futuras ex.) e descobri que o casamento não era caso único. Já lá voam duas e eu sem nenhuma vontade de casar! Estarei velho e serei um solteirão? Será idade de deixar os ténis e passar aos sapatos de vela (pelo sim pelo não estou com eles calçados) será idade de começar a ficar em casa no quentinho e deixar a noite para os mais jovens (... o preocupante é que eu já faço isso...). Serei velho ou terei de deixar de ir a Viseu? Não tenho amigos nem ex. casados em Coimbra. Fodasse, lembrei-me agora que tenho 1 amigo casado em Lisboa e outro no Algarve! Será o casamento de ex. companheiros um barómetro para a nossa idade? Ou serei parvo?

sábado, janeiro 21

estive a ver (repetidas vezes, admito [e com gosto!]) o "filme do pai do cherne". e qual não é a minha surpresa quando reparo na tremenda influência que Kátia Guerreiro (mandatária da Juventude de Cavaco [na imagem, atrás do candidato, à sua direita) tem sobre Aníbal: há uma relação de absoluto ventriloquismo entre os dois!!! veja-se (ao pormenor!) como um e outra mutuamente antecipam as expressões faciais e frases de uma e de outro! fabuloso!!!
há sempre um ou outro verdadeiramente bom no meio daquela enorme correnteza de emails que tod@s recebemos com powerpoint's ou indicando endereços de páginas web (sempre!) muito giros [pelo menos assim o deve considerar quem nos envia esses emails]; aqui deixo uma ligação para uma Memorabila de séries e filmes míticos (entre bons e xungas) dos anos 70 aos 90's.

Da cultura da Estátua

Como já aqui se assinalou, a Estátua não percebe nada. Nada.
Na sequência da sátira sobre o comício coimbrão, publicada no DN por Ana Sá Lopes, Manuel Alegre tomou por certo o apoio da jornalista, aprontando-se a colocar o artigo na sua página de candidatura. A despreocupada denúncia da patetice foi feita esta sexta-feira na coluna da visada.
Pede-se encarecidamente ao poeta noções básicas de leitura e interpretação e, já agora, alguma inteligência: a bem da Nação. Enquanto o patriota celebra a trova da Ana Sá Lopes, a pátria inteira ri da(s) Vanessa(s) e do, agora sim, seu, tão seu candidato. Ridículo, grotesco e lamentável, como é hábito.

sexta-feira, janeiro 20

Wilson Picket (1941-2006)


Mustang Sally

Mustang Sally, think you better slow your mustang down.
Mustang Sally, think you better slow your mustang down.
You been running all over the town now.
Oh! I guess I'll have to put your flat feet on the ground.

All you want to do is ride around Sally, ride, Sally, ride.
All you want to do is ride around Sally, ride, Sally, ride.
All you want to do is ride around Sally, ride, Sally, ride.

One of these early mornings, oh, you gonna be wiping your weeping eyes.
I bought you a brand new mustang 'bout nineteen sixty five
Now you come around signifying a woman, you don't wanna let me ride.
Mustang Sally, think you better slow your mustang down.
You been running all over the town now.
Oh! I guess I'll have to put your flat feet on the ground.

All you want to do is ride around Sally, ride, Sally, ride.
All you want to do is ride around Sally, ride, Sally, ride.
All you want to do is ride around Sally, ride, Sally, ride.

quinta-feira, janeiro 19

Cavaco (sempre!!!!) a caaaaaaiiiiiiiiiiiiiir!!!!!!

por uns dias não toquei neste tema mas Cavaco continua a cair na sondagem DN/TSF [segunda, terça, ontem e hoje].
entretanto, hoje às 19h deve ser tornada pública a grande sondagem da Universidade Católica, a ouvir na Antena 1.

Patriotismo cosmopolita

A princípio pode ser difícil de perceber este conceito avançado por Manuel Alegre na campanha presidencial. Parece-me que é até bastante simples e nada contraditório. O cosmopolitismo do patriotismo de Manuel Alegre é facilmente identificável na sua campanha. O patriotismo é tão cosmopolita como o hino nacional (transformado hino da campanha nos últimos dias à semelhança, aliás, da campanha de Cavaco Silva), é tão cosmopolita como as quinas estilizadas que se tornaram símbolo de campanha evocando tempos idos de glória e império, é tão cosmopolita como a língua portuguesa e não mais que a portuguesa. É, no fundo, um patriotismo tão cosmopolita como a visão mais tradicionalista, conservadora e saudosista da realidade.

Pereberam?

quarta-feira, janeiro 18

Quem quiser dá-la, dá-la.

"A integridade é como a virgindade, depois de perdida não se volta a recuperá-la" - Apoiante de Garcia Pereira em tempo de antena desta candidatura.

terça-feira, janeiro 17

Extra! Extra!

Venho por este meio informar os habitantes, comensais ou simples frequentadores desta nossa sala de estar que, qual fénix renascida das cinzas, um fantástico blog também renasceu depois de largos meses debaixo de escombros de zeros e uns. O blog reúne uma massa pensante de dimensões significativas e vai tentar fazer da cobertura às eleições presidenciais um pretexto para o seu regresso. Senhoras e senhores, homossexuais, heterossexuais, transgenders, bissexuais e assexuados, apresento-vos: o Pissarolim!

Prémio "o voto em mim é um voto de cidadania"

Prémio "se os mortos votassem..."

Prémio "não falaram porque não quiseram"

"Era para ser também debate, mas tal resumiu-se a três intervenções de dirigentes associativos, elogiosas do trabalho do PCP na defesa dos seus direitos." Excerto de uma notícia do DN sobre um encontro de Jerónimo de Sousa com pequenos e médios empresários.

Prémio "plano de vida"

Prémio "salvo pelo bombo"

«"Isto só lá vai com bombos?", pergunta-lhe a jornalista da RTP. "Não faça perguntas provocadoras!", responde-lhe Mário Soares» - Excerto da notícia do DN que relata a forma como Mário Soares lidou com o atraso dos senhores dos bombos para fazer uma arruada, enfiando-se "na primeira pastelaria que encontrou".

Prémio "Além de estar frio, está um calor que não se aguenta"

"a minha mulher não se interessa por política. Já repararam que ela nunca faz intervenções?" - Cavaco Silva em entrevista à SIC, citado pelo Super Mário.

"Em Macedo, Maria Cavaco Silva pegou nuns quantos panfletos de campanha e juntou-se a Kátia Guerreiro na distribuição aos populares" - Notícia do DN.

Prémio "Tenho a sensação que tem estado frio"

Duas vidas separadas pelo tempo...

Vale a pena dar uma olhadela neste post sobre aqueles que muitos chamam "o candidato do Ruptura". Do nosso amigo emigrado nos Açores.

Francisco Presidente em entrevista na SIC

No Jornal da Noite de ontem na SIC não conseguiu dizer porque é que não ataca Jerónimo, não conseguiu explicar se seria ou não um presidente da estabilidade ou da instabilidade, não se conseguiu desenvencilhar da pergunta da direcção de voto à segunda volta, patinou, patinou, patinou. Fugiu desajeitadamente à perguntas, respondeu alhos quando lhe perguntaram bugalhos. Não me parece que o tenha feito por falta de argumentos, eles existem e eu berrava para a televisão na esperança de lhos fazer lembrar. Porque o fez é uma coisa que me escapa.
Entrou de forma brilhante na pré-campanha mas rapidamente acusa cansaço. O voto que não vai em futebóis merece um comentário futeboleiro: entrada de leão, saída de vacão.

Soundbyte da arruada de Francisco Presidente em Coimbra

"Ponho o carro, tiro carro
À hora que eu quiser..."

Podia ser o hino de campanha de Manuel Alegre porque nele, ninguém manda, mas soou pelas ruas de Coimbra enquanto Francisco Presidente distribuía beijinhos, velhas dançavam e militantes acompanhavam o ritmo com o empenho de quem lava os dentes.

Memória histórica

segunda-feira, janeiro 16

Serei pós-moderno?

Por duas vezes esta semana dei por mim a concordar com dois baluartes do Pós-modernismo, por dois ideólogos e frenéticos defensores das redes sociais e do seu valor enquanto actores políticos Mundiais, continentais, nacionais, regionais e locais. A primeira foi no discurso do Boaventura, na apoteótica vinda de Louçã a Coimbra e a segunda foi em Viseu numa conversa com o Pureza sobre a magistratura de influência do Presidente de Republica.

Serei pós-moderno?
Sofrerei de uma tendinite intelectual?
O meu cérebro pregou-me uma partida obrigando-me a deixar aquela cama quente, em dia de inverno, a que chamam Marxismo. Como diria o tio Lenine "O que fazer?"
Estarei a desapontar o velho Marx?

Nevoeiro

8:45 da manhã. Estrada Nacional 242 que liga a Marinha Grande a Leiria. Nevoeiro denso, só consigo vêr uns 25 metros de estrada. No entanto, apesar do nevoeiro, não consegui encontrar a caravana do Cavaco Silva.

domingo, janeiro 15

Presidenciais 2006 - S

S de Soares ou S de Senil!?
http://thormentor.blogspot.com/2006/01/presidenciais-2006.html

Não gosto de repetir posts mas como sei que voces não costumam ir ao meu blog vejam este post que acho que vale a pena.

sábado, janeiro 14

mais do mesmo... a caaaaaaaaaaiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiir!!!!!!

RSS

Era um ar que o nosso blog disponibilizava mas pelos vistos não devia ser muito ou nada usado, visto que não havia referencia em lado nenhum do blog há sua existencia.
Assim, com todo o altruísmo e em nome do meu proveito proprio e de quem queira daqui em diante usar este serviço está assim divulgado para nos e para o mundo o nosso RSS.
Notas:
- para aqueles que, como eu, usam o Opera têm a vida facilitada. Experimentem carregar no link.
- para quem quer usar e nao tem programa nenhum pode escolher um aqui: http://blogspace.com/rss/readers

-O que são "RSS"?
RSS é um formato baseado em XML que permite a partilha simples de conteúdos web. Por um lado, permite criar e disponibilizar facilmente os conteúdos e integrá-los em portais ou sítios de internet. Por outro permite que os utilizadores tenham acesso facilitado a esses conteúdos através do seu navegador de internet ou outras ferramentas.

sexta-feira, janeiro 13

o problema dos telefonemas...


"registo dos telefonemas é questão grave", diz Sampaio. mas para quem liga Sampaio que tenha tantos problemas em que publicamente se saiba?? será que ligou a Marcelo aquando da sua decisão de "tirar o tapete" ao Governo de Santana? será que liga para as linhas eróticas e tem vergonha de publicamente ser descoberto?? o que raio incomoda tanto Sampaio em que se saiba para quem ele faz telefonemas??

Cavaco desce nas sondagens...

Cavaco volta a cair (na sondagem TSF e DN)!!!! agora (e atá ao dia 22) só pode ser sempre a caaaaaaaaaaaaaaaiiiiiiiiiiiiiiir!!!!!!

Diga "trinta e três".

Não posso, estou rouco.

quinta-feira, janeiro 12

Toca Charlie Parker, com Take Five (original de Paul Desmond).

"Louis Armstrong, Charlie Parker."
-
Miles Davis resumindo a história do jazz

Cavaco: agora tem de (e só pode) ser sempre a caaaaaaiiiiiiiiiiiiiir!!!


Cavaco pela primeira vez fica abaixo dos 60% nas sondagens!!!
já agora, alguém reparou que estas sondagens apenas citam as estimativas e nunca os resultados brutos desses mesmos trabalhos?? [para se compreender melhor esta questão leia-se aqui.] é que, nessas mesmas sondagens, Cavaco só tem 38% das efectivas intenções de voto [só passa aos 60% com a repartição d@s indecis@s por todos os candidatos]; ora, sabendo que quem é de Direita já tem muito mais definido o seu sentido de voto [só havendo uma candidatura dessa sua àrea ideológica] é fácil de compreender que @s indecis@s que acabem por ir votar no dia 22 fa-lo-ão maioritariamente nos restantes 5 candidatos. por isso não me parece muito sério e estatisticamente correcto o método que está a ser utilizado.

quarta-feira, janeiro 11

Regionalismos

Estava bem perto quando aconteceu e talvez seja por isso que não me esqueço, mas foi Cavaco que encerrou a Fábrica Stephens iniciando o período de falências e despedimentos na indústria do vidro. Foi Cavaco que viu e deixou afundar outras fábricas de vidro sem mover uma palha. Foi Cavaco que mandou a polícia de choque carregar sobre os trabalhadores da fábrica Manuel Pereira Roldão durante uma manifestação que exigia apenas o direito ao trabalho.

Cavaco e a pastelaria

Vai "para Belém como rei mago e, constitucionalmente, não poder ser mais do que a fava do bolo-rei" - Nicky Florentino no Albergue dos Danados.

Diga "trinta e três".

Não posso, tenho uma faringite.

"Cavaco é um Okupa"

Análise da prestação de Cavaco como síntoma de um movimento mais lato da Direita portuguesa feita por Miguel Vale de Almeida

Cavaco: @ "ajuda/apoio" de Santana...


julgo que com a entrevista de Santana Lopes na SIC Notícias (ontem à noite) poderá ter começado o princípio do fim das possibilidades de Cavaco ganhar as eleições presidenciais à 1ª volta.
reparei em dois novos(?) "termos políticos" subliminarmente utilizados por Santana: "democraticamente rigoroso" atentando ao facto de só com os resultados do dia 22 [nas eleições] é que se saberá se Cavaco ganha (ou não, logo) à 1ª volta, nunca apenas através de meras sondagens; e [a mais prodigiosa e assassina "tirada" de Santana] a possibilidade de "sarilho institucional", falando das francas possibilidades de mistura (e confusão) de poderes entre o "presidente" Cavaco e o primeiro-ministro Sócrates.
Santana ainda falou da hipótese de que, com Cavaco em Belém, a Direita partidária ficará com menos espaço de manobra próprio pois teria uma figura tutelar nesse seu PR.
quando até Santana levanta o fantasma do eventual grande intervencionismo [de Cavaco como PR] junto do Governo e dos tiques presidencialistas de Cavaco...
[lembrete: SiC = Sistema de informação do Cavaco]

terça-feira, janeiro 10

Liberalismos

Caro amigo Zé Manel,
A centralidade do Estado na capacitação/regulação dos mercados concorrenciais fá-los (Rodrigo Adão da Fonseca e Henrique Raposo) divergir no que respeita as funções que o mesmo continua a deter na organização de interesses mercantis transnacionais. O dogmatismo liberal que imputas a RAF poderia eventualmente fundar-se na epistemologia marxiana (de que falei), na medida em que subalterniza o papel das instituições liberais exteriores (mais ou menos complementares, mais ou menos conflituantes) ao curso regular do princípio do mercado; pelo contrário, HR procuraria demonstrar (o que inusitadamente me fez lembrar o Pierre Rosanvallon) que o liberalismo não possui, por necessidade, a mesma raiz empírica e filosófica que o capitalismo, pelo que em sociedades liberais os Estados («Estados-chave»), para o bem e para o mal, constituem dispositivos fundamentais na condução das políticas económicas internacionais. Não me parece bem assim. A meu ver, RAF, desse ponto de vista, não se revela estritamente dogmático, pois identifica os processos de globalização com o resultado das interacções (geradoras de tensões e «equilíbrios-chave») de uma multiplicidade de actores (players) na cena regional, nacional e internacional, ao contrário de HR que, não sei se descritiva ou prescritivamente, detecta no actual mapa de relações económicas e sociais globais a presença de um comando estadual determinante do roteiro do mercados e das sociedades. Dá-me, então, ideia de que do lado de HR encontramos uma posição liberal muito mais conservadora (encapotada de pragmatismo) e em RAF uma ideia liberal mais substantiva. De qualquer forma, parece-me que a resolução ou clarificação da disputa conceptual situada entre os «equilíbrios-chave» e os «Estados-chave» depende muito mais da natureza e do carácter particular das instituições/racionalidades/fenómenos sociológicos a que nos reportamos do que propriamente de uma etapa ou momento estabilizado dos fluxos internacionais que consagram um ou outro como o epicentro das transformações que têm vindo a ocorrer no mundo contemporâneo.

Afinações

Afinal... afinado.

O problema que impedia os utilizadores do Int?rn?t ?xplor?r de visualizarem a imagem no alto da página está, parece-me, resolvido. Agradeço algum feedback sobre o assunto.

Para os melómanos, o blog tem, agora, música. De momento, e não podia mesmo ser de outro modo, toca Miles Davis, com This is Jazz. É uma versão mp3, e por isso acredito que nem todos terão a possibilidade imediata de ouvir a música.

Lutas velhas, lutas novas: pela redução da idade de reforma!

À direita, boas notícias

segunda-feira, janeiro 9

Hayek fora dos livros da UCP

A filosofia política hayekiana discutida por Henrique Raposo e Rodrigo Adão da Fonseca. O papel do Estado na transnacionalização e viabilização dos mercados mundiais, a recomposição dos indicadores da soberania político-económica em contextos estaduais pós-nacionais e as raízes e manifestações mais avançadas do liberalismo em sociedades globalizadas são os tópicos mais interessantes. Se reparamos bem, a agressividade política dispendida pelas partes varia em função das aproximações teóricas do respectivo oponente à epistemologia marxiana, ao diagnóstico dos processos de mundialização societal e decorrentes transformações na instituição de autoridades políticas. Carecem as esquerdas complexadas desta capacidade de ampliação de referenciais políticos. Carecem estas direitas de contenção normativa e amadurecimento político. Em ambas, não consta que as carências assinaladas tenham alguma vez sido o seu forte.

sexta-feira, janeiro 6

o afirmado candidato presidencial da ruptura afinal "é-o" efectivamente: "Mário Soares não terá o meu voto na 2ª volta", Garcia Pereira hoje em grande entrevista ao JN.

quinta-feira, janeiro 5

Para os mais exigentes

Esta é de longe a melhor anedota sobre loiras que ouvi nos últimos tempos.

quarta-feira, janeiro 4

segunda-feira, janeiro 2

quanto à problemática de eu estar (ou não) socialmente desenquadrado da normalidade... aproveitei a entrada neste novo ano [2006] para experienciar algo de novo para mim... começei a seguir os "Morangos com Açucar"!!! já sei quem é o Tó P, o Zé Milho, o que é o bar do Fred, quem é a Susana, enfim... já devo estar integralmente enquadrado na via normal da socialização padronizada e correcta... agora, resta-me um inteiro novo mundo para conquistar e conhecer.

domingo, janeiro 1

o candidato da ruptura...

a hora já é tardia, o meu estado é algo debilitado, mas mesmo assim não queria deixar de vos presentear com esta notícia de hoje do Público: "Garcia Pereira apresenta-se como candidato da ruptura". or aí está! tudo bem explicadinho, para quem quiser compreender!!