quarta-feira, dezembro 31

Corrijam-me se estiver enganado (obviamente esta expressão é uma figura de retórica).
Consideremos o términus de um ano como o fim do ciclo de translação da Terra em torno do Sol. Consideremos ainda que o ano de 2004 é bissexto, ou seja, nos últimos quatro anos "perdeu-se" um dia relativamente ao supra-citado ciclo da Terra.
Parece-me, então, que, astronomicamente falando, a passagem de ano far-se-á de dia 1 para dia 2 e não de 31 para 1...
No mesmo sentido, a passagem do ano de 2002 para 2003 ter-se-á dado mais ou menos por volta das 18 horas de dia 1 de 2003.

terça-feira, dezembro 30

13ª suspeita de caso irregular nos resultados dos concursos de colocação de professores. Não sou um boy laranja, nem da famíllia de algum pelo que tenho conhecimento, mas, por este andar, mais uns vinte e tal mil e ainda tenho um horariozito razoável perto de casa...
um cartoon do irmão do "nosso estimado camarada" Berto Messias:
logo

segunda-feira, dezembro 29

penso (?) que ainda não percebi muito bem o que aquilo é, mas penso(??) que deve ser (mais ou menos) um blogue conglomerado de vários blogues e blogadores que se [des]conhecem entre si (ao contrário de quase todos os outros bogues que são gerados por grupos de amig@s). não gostei mesmo nada de uma tirada que lá li, do género: agora aceitamos todas as inscrições mas depois vamos selecionar entre tod@s e "dispensar" aquel@s que tiverem menor qualidade (!!). vão para o raio que os parta!! querem trabalho (intelectual) de borla e ainda querem andar a chutar a malta fora? parasitas de merda!!

domingo, dezembro 28

O jornal O Público enche-nos de esperança, noticiando que, já em Janeiro, Santana Lopes será responsável por um livro: «Causas de Cultura», «um livro sobre a obra de Santana Lopes na secretaria de Estado da Cultura, mas acaba também por fazer referência ao que o actual autarca de Lisboa considera serem as suas obras marcantes como presidente da Câmara da Figueira da Foz e da capital» (cit. Público online).
Aguardo com ansiedade um livro que, certamente, irá revelar o desconhecido concerto para violinos de Chopin e o actual paradeiro, bem como o segredo da longevidade, de Machado de Assis.

sábado, dezembro 27

Ok... Juro que o erro no ponto 2 foi completamente sem querer!
Ok. Um post curto mas com 3 partes:

1. Né, parabéns pela criatividade e pelo esforço em manter o nosso canto vivo em tempo de férias.

2. Albeto, tens razão.

3. O único post que consigo fazer é este mesmo. Que não tem ponta por onde se lhe pegue.

*suspiro*

sexta-feira, dezembro 26

A disciplina a que qualquer pessoa que escreva para um (ou num) blog se tenta obrigar é ilusória. O compromisso de escrever diariamente dura alguns meses (nos melhores casos). Entusiasmo inicial penso. Após isso os tempos de interregno tornam-se gradualmente mais dilatados e incorre-se em bloqueios de escritor sem a parte do escritor na maior parte dos casos.
Para superar o obstáculo da falta de ideias é aconselhado recorrer a efemérides do dia em que se coloca o post - nem podia ser de outro dia...

Assim:

A 26 de Dezembro de 1893 nasceu Mao Tsé Tung. O nosso Primeiro fez, com certeza, um jantar comemorativo. Há quem já não acredite no Pai Natal, ele já não acredita no Mao - pelo menos na ideia, o método continua lá.
sei que já devia estar a dormir. só mesmo um pequeno final... até amanhã!!
não sabia bem o que escrever a esta hora mas apetecia-me escrever algo, então lembrei-me de sacar do telemóvel e vejo uma mensagem bastante interessante recebida à coisa de um mês atrás: "continuo @ mesm@ parv@ de sempre... um dia aprenderei a mandar as expectativas à merda e a viver sozinh@". o que queres que te diga?? tu própri@ dizes tudo... ou não??
começo a dar-me conta que algumas pessoas aqui do nosso duplex devem andar muito ocupadas familiarmente nesta época divina, pois que quase ninguém posta nada por aqui [nem que seja um bacalhauzito]. o tempo pelo Ocidente mais Ocidental da eUROPA vai-se mantendo normal para a estação: bastante ventoso, (felizmente que) pouco chuvoso e mar alteroso.
queria desde já [temendo não me encontrar ainda por Coimbra nessas datas] dar os parabéns antecipados a duas presenças deste nosso espaço que têm o seu aniversário na primeira semana (inteira) de Janeiro. para ele e para ela fica a decisão de sairem a terreiro e assumirem essa passagem etária perante tod@s, na blogosfera.

quinta-feira, dezembro 25

não sei se alguém, aqui do Duplex [entre @s residentes mais antig@s (mas sem pretender fazer distinções!!)], ainda se lembra de no Verão passado aqui no blogue ter falado (entristecidamente) de ter visto no telejornal da tv regional uma notícia sobre a descida da criminalidade juvenil na região (pelos dados da Bófia, é claro). pois bem, é com imensa alegria e satisfação que vos posso informar (pelo que li num periódico de cá) que só num semestre [o passado] o vandalismo juvenil subiu 38%!! o sub-título da notícia é sublime: "VANDALISMO- de mochila às costas". infelizmente não vos posso linkar para a edição on-line desse jornal pois estão com a webpage em baixo devido a remodelações. de alma preenchida de satisfação vos deixo por agora, tenho que ir encher a barriga (já que a alma está rejubilante pela confiança que me dão as gerações vindouras!).

quarta-feira, dezembro 24

Andei a remoer e a remoer sem saber o que debitar a respeito do Natal. Mas eis que se faz luz! Ontem comprei o Blitz, dei mais 7 eurolas e em troca trouxe o álbum do Legendary Tiger man para casa. Pois é precisamente do álbum que extraio a frase que traduz o meu estado de espírito com mais exactidão:

"Fuck christmas baby, I got the blues"
à malta aqui do duplex que esteja interessada: já abriram (não sei quando fecham) as inscrições para o curso de programação/locução na RUC. quem estiver interessad@ passe pelo terceiro piso da AAC ou vá à página e tente inscrever-se pela net.
ouvi à pouco no rádio que foi encontrado o primeiro caso de BSE nos E.U.A., curiosamente em Washington. já desconfio que tenha sido para os lados da Casa Branca, na sala Oval e que a vítima [ou vírus maligno?] seja o W. mas é apenas um palpite meu...
p.s.[r]:) [para não me chamarem de bruto e mal-educado] também dou as boas-vindas à nova comparsa aqui do nosso prasenteiro espaço, apenas não o fiz na altura socialmente devida pois não me guio pelos ditames boboneanos!

terça-feira, dezembro 23

Deixo por aqui na porta do frigorífico (post-it) a renovação dos votos de boas festas para todos.
Pessoalmente, vou sentar-me à espera que a época passe.


P.S.:ah, e as boas vindas à nova residente. Espero que goste do jardim. Há muito tempo que não nos ocupamos dele, pois não temos grande propensão para o trabalho intelectual, mas lá se vai aguentado em auto-gestão...
é tão lindo, é tão bonito o meu partido... [não! não se preocupem, não estou na Atalaia, nem virei estaleca]. parece que fez 30 anos da fundação da LCI, pelo menos a malta camarada [cromalhada?] tinha jantar de aniversário no passado sábado.
o Combate vai evoluir regressando ao passado. passo a explicar: deixará de ser jornal de agitação (de periodicidade mensal) passando a ser uma revista de reflexão política (sem periodicidade fixa, mas saindo entre três a quatro vezes ao ano), entretanto terá também ainda mais artigos internacionais sendo que o Combate passou a fazer parte de uma rede europeia de revistas marxistas.
a quem aceite [fraternalmente]: boas festas!!

segunda-feira, dezembro 22

Temendo,
sem excluir,
quedar-me muda até ao fim das chamadas festas, apresento-me como «nova residente» e revelo o meu secreto voto em boas festas

cá estou eu de volta! a comprovar que no local mais recôndito se pode manter alguma ligação com @s demais comparsas aqui do bogue!

sábado, dezembro 20

a tod@s @s comparsas aqui deste duplex desejo uma boa época estival, mas não um festival de bom coração e fraternidade judaico-cristã!
estou a menos de uma hora de ir-me de Coimbra [que não a vir-me por Coimbra]. opá! já sei, dsesculpem-me! é o sentimento [estou lavado em lágrimas] por esta triste despedida! [espero que pelo menos isso nos valha alguma coisa em termos de visitas aqui ao nosso blogue].
boas férias a tod@s!! e vemo-nos de novo [ou não para alguns/algumas] em janeiro. já sabem há sempre o email para encurtar distâncias de milhares de léguas marítimas mas ficarei saudoso de algumas [muito gostosas] conversas na Instituição ao redor de umas cervejas!
muito bafiento me despeço: adeus, até ao meu regresso!!

quinta-feira, dezembro 18

este rapaz terá razão?? sou levado a pensar que em boa parte sim!
leia-se uma parte do que escreveu [sobre a Assembleia Magna de terça-feira]:

[...] Não podia fechar estas notícias sem deixar aqui uma última nota. Não é que ontem no final, um grupinho de amigos que no ano passado queria mudar não sei lá o que, estava para lá com uns lencinhos brancos, castanhos(?), amarelos (devia ser do ranho) e outras cores no ar!! Então mas eles não eram tão amigos do Presidente da DGAAC? Porque é que estavam tão contentes a dizer-lhes adeus, tipo despedida vai-te embora oh melga... Deviam era ter chorado! Este foi o único presidente a dar-lhes ouvidos! (Ainda bem que só foi no final do mandato, se não era o descalabro total!!)Outra oportunidade como esta de cheirar a ribalta não vai aparecer tão cedo...
Só se for a BreloquE de alguém...


já choro baba e ranho e tudo o mais pelo Dodot. mas espero pela noite de hoje [21h30, sala 17 de Abril, no departamento de Matemática] que o Grande Satã o crucifique, teremos mártir académico!!! vou (humildemente) fazer a minha parte para que isso se concretize!
podem dizer que é mera mania minha da conspiração e perseguição [que assumo ter em doses gigantescas!], mas já se deram conta que os miríficos e fantásticos 3% do PIB (como máximo de déficit orçamental para os países da UE) advêm do M dessa cadeia multinacional de lixo alimentar??

só se tem que virar um pouquinho o M!

quarta-feira, dezembro 17

Tenho o agradável padre, na sic notícias, a regojizar-se pelo aparente anuir cientifico do médico, em relação à identidade e enfim, comportamento humano dum feto. Aliás, segundo o médico, a própria interacção hormonal entre as primeiras células do feto, e o corpo da mãe, que resulta no engrossamento da parede do útero para a recepção do óvulo fecundado, é prova duma interacção que é característicamente humana. Ainda na mesma intervenção, relembra-nos que até um ser unicelular - uma bactéria - detém já mecanismos complexos de interacção com a natureza circundante. Que possui inclusivé memória, "de temperaturas, etc". É um argumento algo irritante. O nosso caro médico trata processos normais da biologia, até de ordem molecular, com uma sensibilidade algo metafísica, e enfim, é perceptível que é um apaixonado pela vida humana. No entanto, pela descrição, até um processo de produção de bactérias fungicidas no estomago humano, é susceptível de ser interpretado como acontecimento merecedor de estatuto jurídico. Tudo Isto é irritante.

Toda esta discussão, e principalmente todas estas discussões paralelas de teor quase filosófico pecam por produzirem um alheamento generalizado perante o real problema, que podemos considerar - enfim, como a Ana Drago disse, antes de se deixar comer numa discussão idiótica - de saúde pública. Penso que neste departamento, e sem a necessidade de deixar afogar numa argumentação ideológica sobre a natureza humana, podemos claramente falar da responsabilidade do estado em arranjar uma solução pragmática para o dito problema. Passa, muito naturalmente, por permitir acesso a condições e a um ambiente propício, ou que pelo menos evite a traumatização desnecessária que daí resulta, ás mulheres que no seu entendimento, ou desentendimento, pretendam abortar. E esta, primeiramente, deve ser a função do estado. Minimizar as consequências negativas daquilo que é um fenómeno generalizado, que a criminalização de maneira nenhuma resolve.

Como é óbvio, é legítimo e necessário que a dada altura se discuta o teor simbólico do acto em si. Aliás, ( em que é que eu estou a pensar ) não se faz outra coisa. Penso, no entanto que tudo é mais complexo do que aparenta, e temo por uma incapacidade de grande parte do nosso país no que diz respeito à análise consciente do acto de abortar.
Podemos discutir, por exemplo, se é ou não é civilizado que uma mulher possa escolher - depreendendo que ela exista num contexto em que tenha todas as condições para o poder fazer, ou seja, que possua todas as condições psicológicas e materiais que considerasse necessárias ( o que já é de certa maneira estúpido) - abortar. Penso, que na maior parte das vezes, e mesmo na pior das situações, a decisão de abortar é o mais próximo que me ocorre de decisão consciente. O que nos leva rapidamente para aquilo que pode ser considerado como uma manifestação de uma emancipação recente - ou não - das mulheres. A maior parte das associações ditas "pró-vida", principalmente aquelas cujos laços à igreja são mais evidentes, têm uma acção que parece ser, mais do que o produto de concepção progressista de valorização da vida, um processo conservador de reacção a um papel renovado e auto-consciente que a mulher cada vez mais desempenha. Além disso, recentemente, a própria igreja mostrou-se capaz de reduzir o papel da mulher nos ritos religiosos ( missas e afins), o que denota uma notória incapacidade - até ausência de vontade - da igreja em se renovar e se tornar mais tolerante.. e por que não, tolerável, num mundo em que os direitos de homens e mulheres não podem senão equiparar-se.

Mas, e renovo a minha ideia, independentemente desta discussão, e atendendo à força que estas associações, e igreja, têm em portugal, o estado, ainda assim, tem a responsabilidade de exercer uma acção protectora dos seus cidadãos. Ora isso não passa pela criminalização de quem pratica o aborto. Não passa pela insistência no não permitir a existência de condições medicamente e psicologicamente decentes para quem quer abortar, represente essa acção o resultado de uma precipitação, de um desespero, ou de uma opinião fundamentada, ou fundamentalmente de um desejo - manifestação de um direito intrínseco à vida da mulher.

terça-feira, dezembro 16

"Jaz(z) morto e apodrece
O menino de sua mãe"

P.S. - Qualquer ligação passível de ser feita entre este pequeno excerto, uma corrente e um movimento cujo obituário talvez tenha que ser re-escrito não é pura coincidência. Mas guardo-me para um comentário talvez mais alongado para a mailing list (onde eu discuto como bem me apetecer).
"Jorge podes vir
Mamã, enfim, morta."

segunda-feira, dezembro 15

andei agora mesmo a ver uns videos pelo site da CNN e delirei!! aquela merda é mesmo canal de propaganda!! mil vezes pior do que o Goebbels!! "ladies and gentleman: we got him!!!"??? onde estão as senhoras?? e os cavalheiros!! porcos imperialistas!!! [vejam os audio slide show que eles la teem, muito bons (ou seja: muito mau)! propagandistico e panfletario até dizer chega!]
agora vou dormir [5h45]. não se conseguirei dormir bem, mas dizem-me [Ze Manel e Pacheco entre outros] que o Mundo agora esta muito mais seguro. mesmo assim tenho medo do Papao!! sempre tive, talvez por ter nascido europeu mas muito maisperto deles.
adios y buenas noches a tod@s!!

domingo, dezembro 14

Est(ar)á o Mundo mais seguro agora??
Malta do duplex, estou preocupado. Aconteceu-me uma coisa terrível. Por incapacidade minha, um dos meus alter-egos libertou-se. Sucumbi a um ataque de esquizofrenia, não fui capaz de resistir, e um alguém que habitava em mim resolveu agir em mim sem mim. Ele fugiu. Arranjou uma nova casa e agora não quer sair de lá. Trata-se de um ser separado. O nome dele é Zé Gato. O tipo tem uma estranha fixação por gatos que eu não compreendo nem sou capaz de justificar. Ele agora vocifera alto e bom som, com violência, a insultar quem se cruza com ele na rua. Não sei se é perigoso mas talvez seja de ter cuidado. Ele está num local chamado O Ninho Do Gato. Eu ainda não fui lá, sem sei se irei, mas vi que o gajo deixou um convite para lá ir lá em baixo na caixa do correio. Quem quiser que lá vá. Não prometo que sejam bem tratados, não o conheço suficientemente bem. Bom, o aviso está dado. Façam como entenderem...

sábado, dezembro 13

Alberto:

Diverte-te a arranjar fundos para o ser que estás a gestar:

Fotos

Pintura

O meu voto.

Divirtam-se!

quarta-feira, dezembro 10

http://www.physics.nyu.edu/faculty/sokal/transgress_v2/transgress_v2_singlefile.html#1158

Entre a social-relativização e o social-determinismo. Em volta dos redactores da Modernidade: Montesquieu. Reconhecer a diferença numa perspectiva multipolar não traz o ónus da condenação à indiferença. Lugar-comum, é certo. Mas faz a diferença entre uma transição parida pela Modernidade por falta de espaço e uma operação de deslumbramento que, como bem antecipou o teu amigo Pessoa, faz sábio "aquele que se contenta com o espectáculo do mundo". Fernando não em Pessoa, mas em Ricardo Reis.
"É consensual que Modernidades há muitas. Pós-modernidades também. Nem podia ser outra coisa. SIM?!" - diz o camarada Tiago numa posta abaixo.
Pois respondo (pelo menos por agora): NÃO SEI!
Estou em crer que pretende concentrar por aqui uma pequena discussão sobre a Ciência vs a Social-relativização com as suas interrogações orientadas. A seu tempo, pois A modernidade ainda não se esgotou, de bom grado aceitarei o desafio. Por ora, e porque o labor urge, para nada mais tenho disponibilidade senão para lamentar a minha ausência de tal empreendimento.

terça-feira, dezembro 9

E não vale a pena engendrar raciocínios ainda que jocosos com a sugerida transição da fórmula "Penso logo existo" para o "Não vejo, logo não há". É consensual que Modernidades há muitas. Pós-modernidades também. Nem podia ser outra coisa. SIM?!
Receio ter de responder-lhe negativamente. Por muita infelicidade minha, não tive o prazer de me confrontar com tal sujeito. Digo, nunca o vi. Logo, não existe. ("Cogito ergo sum.")
Quanto à casa e à pátria, é uma questão de medida e tamanho na expressão de uma identidade. Com escassa consciência de classe, lamente-se...

domingo, dezembro 7

O camarada Tiago, qual pequeno Adamastor, gosta de soprar ventos para ver o que cai. Uma pergunta nunca é uma pergunta e um tom de surpresa não passa de uma fuliginosa cortina de cáustica ironia. O paralelismo entre a casa e a pátria é, todavia, demasiado rebuscado. Referia-me, e tão só, ao espaço de partilha dos eleitos deste blog.
Rubor não faltaria se eu, retribuindo o favor, elevasse o espanto demonstrado a uma referência aos egrégios avôs tão austeros com estes tempos tão para além do moderno, questionando-me: será, camarada Tiago, que tem sonhado com Sokal?
Muito me surpreende o camarada Alberto: completa Sophia e teoriza a pátria. Posso entender a referência à esquizofrenia como uma vénia recalcada ao Eduardo Lourenço?

sábado, dezembro 6

Este gajo é engraçado. Algumas informações erradas mas engraçado...

sexta-feira, dezembro 5

"Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo."

Sê bem vinda a este humilde casebre Helena. Senta-te à mesa connosco e dispõe do espaço como se de tua casa se tratasse.
"Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial, inteiro e limpo!"

Espero sinceras vivas à minha entrada!
Para quem não sabe, sou a Helena.


Obrigada pelo vosso acolhimento!
Uma musiquinha de que me lembrei...

Eu não vou chorar - a dg não era para mim.
Eu não vou chorar - a presidência não era para mim.
Eu não vou chorar - uma dg vermelha não era para nós.
Eu não vou chorar - já não há campanha para fazer.
Eu não vou chorar - fazer a luta não é para ninguém.
Eu não vou chorar - o importante é segurar o poleiro.
Eu não vou chorar - ter ideias é coisa de outros tempos.
Eu não vou chorar - a esquerda unida podia ser dg.
Eu não vou chorar - esta vida não era para mim.

Eu quero agradecer ao dj sandrinho por este momento de inspiração...
A propósito dos resultados da primeira volta das eleições para a AAC

As putas do Durão
Miguel e Queirozão (que deve ter crescido alguns centimetros ontem...)
Enrabaram o leitão (e porque não também a leitoa)
E continuam na eleição. (pelo menos para já)
Nogueira e julião
Não saíram do turbilhão
E ficaram a olhar para a direcção.
Quem será que vai agora
Rapidamente e sem demora
Fazer a aliança
Quem os conduza à vitória?
Será que a nuvem que encobre a direcção
Vai continuar a ser rosa-alaranjada?
Ou o conflito de cores vai ser resolvido
E a balança quebrada?

Continuam a ser coisas...